Ogg Vorbis

Tudo começou por causa da preguiça. Recentemente meu professor de Biologia me emprestou um CD com algumas faixas de audio que eu iria precisar para estudar (Blues, não Biologia).

Então veio a dúvida: “Como eu faço isso no Linux sem usar a praga do KDE?”. Vamos ao terminal ver o que ele tem a dizer. Havia dois scripts, um chamado cdda2ogg e outro cdda2mp3. Por estar mais habituado com mp3, já fui logo para o segundo.

Acontece que o script estava configurado para usar 128kbit/s. Eu tava sem saco de fuçar no shell script e resolvi dar uma chance ao cdda2ogg.

Fiquei impressionado com a qualidade do resultado. Um CD de 45′ em 31MB sem perda audível de qualidade. Não tive saco de comparar com Mp3, mas teria que ser menos de 128kbits/s para ocupar o mesmo espaço, e acho bem difícil que ele fosse conseguir se igualar.

Depois de algumas pesquisas, vi que o nível de aceitação lame/vorbis é quase o mesmo. Mp3 tem vantagem de ser lido universalmente e o Vorbis tem vantagem de, quando distorce, gera uma distorção mais sutil e agradável que o mp3, além de conseguir ótimos resultados a baixas bitrates.

Agora uma dica que vale para qualquer encoder:
Menos é mais. O wav deve ir direto ao encoder e o encoder deve produzir automáticamente o arquivo. Nada de normalizar o volume, isso normalmente só vai piorar as coisas. Se você tiver que editar alguma coisa, faça isso separadamente, ouvindo as mudanças que você está fazendo.

E outra coisa, se você quiser bons arquivos de audio, os melhores que você pode ter são aqueles feitos por você mesmo.

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: